31 de mai de 2018

Festa Literária de Leopoldina 2018

"Quando se sonha sozinho é apenas um sonho. Quando se sonha juntos é o começo da realidade."
Miguel de Cervantes

Não seria possível realizar o sonho sem muitas mãos, sem tantas almas e muito menos sem os vários corações sintonizados na mesma energia...a energia de fazer acontecer!

E assim surgiu a FLILEO, da felicidade do encontro de ideias muitas pessoas vieram somar, multiplicar e fazer acontecer este sonho. Nestes meses de árduo trabalho, unindo forças pelo mesmo ideal, a Comissão Organizadora dividiu tarefas e esperanças.

Confiança! Troca de ideias, mudança de rota, planejamento e replanejamentos. 

E o que era sonho, virou plano com datas, horas e responsáveis e, num sábado à noite, pedindo a Deus um pouquinho de paciência com a chuva, trabalhando sob os pingos que teimavam em cair, a Festa teve início. 

A FLILEO é um marco histórico, é a prova que a persistência, a união e a coragem são os ingredientes para fazer um sonho acontecer. 

Viver a FLILEO, desde os preparativos até vê-la acontecer, foi um grande prazer. 

O objetivo foi alcançado: a Festa Literária de Leopoldina demonstrou que a Literatura nos faz ir além, muito além do que podemos sonhar...

Uma viagem ao nordeste pelo Assum Preto

O Grupo Folclórico Assum Preto foi criado em março de 1984 pela professora de Artes Renata Arantes, com o objetivo de pesquisar, registrar e divulgar o folclore brasileiro através de suas danças, costumes e outras manifestações. O grupo é atualmente atividade do Projeto de Extensão Social do CEFET-MG Unidade Leopoldina. Além dos alunos da escola, conta com a participação da comunidade: amantes das artes, profissionais liberais e alunos da rede pública e privada de ensino do município.

A apresentação do Assum Preto na Flileo constou de uma dança nordestina: o Baião, que em sua origem era uma dança cantada de criação nordestina. Resultado da fusão da dança africana com as danças dos nossos selvagens e as dos portugueses colonizadores, refletia na sua composição e coreografia a mistura de elementos destas três etnias. Mais tarde, Luiz Gonzaga foi o responsável pela divulgação deste ritmo que invadiu os salões de dança do Brasil e também no exterior. O Grupo Assum Preto dançou ao som da música "Asa Branca e Assum Preto".



30 de mai de 2018

A ASPAS na Flileo

A Associação de Pesquisadores em Arte Sequencial, fundada em 2012 em Leopoldina, onde está sediada, foi uma das parceiras da Festa Literária de Leopoldina. Durante o evento, através de seus associados Rapha Pinheiro e Hamilton Kabuna, ofereceu oficinas e, no dia 26, montou um estande no qual expôs suas publicações como editora e o trabalho independente de alguns de seus associados.

Rapha Pinheiro, quadrinista e pesquisador, ofereceu uma oficina básica de quadrinhos, que foi realizada na Casa de Leitura Lya Maria Müller Botelho no dia 24 de maio. Hamilton Kabuna, professor de desenho, pesquisador e mestrando em artes pela ECO/UFRJ, ministrou uma oficina de roteiro e fanzines, no mesmo local, no dia 25 de maio.

Neste ano de 2018, a ASPAS completa seis anos de intenso trabalho de promoção da pesquisa e do ensino envolvendo as Histórias em Quadrinhos. A Comissão Organizadora da Flileo agradece pela adesão aos propósitos de enriquecer os leopoldinenses com este importante instrumento de desenvolvimento da leitura.



29 de mai de 2018

Uma Noite na Biblioteca


Uma noite na Biblioteca Municipal Luiz Eugênio Botelho, no Centro Cultural Mauro de Almeida Pereira, foi o evento realizado com os pequenos no dia 24 de maio. As crianças participaram ativamente das brincadeiras propostas pelo grupo de artistas capitaneados pela acadêmica Maria José Salles Fernandes.

A poesia do oriente, por Elias Fajardo

Elias Fajardo da Fonseca, natural de Tebas, distrito de Leopoldina, é sócio correspondente da Academia Leopoldinense de Letras e Artes. Vive no Rio de Janeiro desde 1965. Trabalha na imprensa desde 1970, tendo fundado o jornal “Repórter”. Foi repórter do Segundo Caderno de “O Globo” e subeditor da editoria internacional do “Jornal do Brasil”. Foi chefe de redação do programa de TV “Globo Ecologia” de 1996 a 2005. Faz resenhas de literatura para o Segundo Caderno de O Globo e oficinas de literatura na Estação das Letras, no Rio. Ilustrou livros e fez mostras individuais de aquarela e pintura no Rio, em Cataguases, Leopoldina, Juiz de Fora e São João Nepomuceno.

Tem 15 livros publicados, entre obras de ficção (contos e romances) e sobre temas jornalísticos e educativos. Seu romance “Belo como um abismo” foi finalista do Prêmio Jabuti em 2015.

Participou da Flileo com a palestra "Poemas Clássicos Chineses, Haikais Japoneses e Brasileiros: do cotidiano à transcendência", realizada no dia 25 de maio de 2018, no Museu Espaço dos Anjos. Algumas pessoas presentes se surpreenderam com as características destacadas por Elias, já que não tinham bom conhecimento da poética tradicional daqueles países orientais.

Marcus de Mário e Ronaldo Gomes na Flileo

Na manhã do penúltimo dia da Flileo, 25 de maio de 2018, Marcus de Mário e Ronaldo Gomes ministraram importante oficina para os professores sob o tema "Formação de leitores na sala de aula: do conhecimento que liberta ao amor que educa".


Marcus de Mario, fundador e diretor do Instituto Brasileiro de Educação Moral - IBEM, além de educador é também escritor, com 25 livros publicados, entre eles "Pedagogia da Sensibilidade", "Escola do Sentimento", "Educação Moral e Sua Aplicação na Família e Escola", "Lições e Exemplos", "Os Caminhos da Educação", "Gestão Humanizada de Pessoas". Ronaldo Gomes é diretor do IBEM, graduado em Pedagogia com habilitação em administração escolar, especializado em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Psicopedagogo e professor universitário tutor EAD.


Ainda no Centro Cultural Mauro de Almeida Pereira, os educadores voltaram a se apresentar à tarde, proferindo uma palestra sobre "Como a literatura pode transformar suas aulas". O público ficou encantado com as sugestões apresentadas.



25 de mai de 2018

Serjack.doc: canto de um sujeito ensimesmado

Na noite de 24 de maio de 2018, o Museu Espaço dos Anjos recebeu as jornalistas Júlia de Oliveira Sales e Juliana Dias Gomes, para uma apresentação que encantou aos presentes.
Iniciaram com uma palestra sobre Serginho do Rock, um artista leopoldinense que deixou muita saudade. Discorreram sobre o desenvolvimento do trabalho que culminou com a criação do documentário "Serjack.Doc". 
Em seguida o vídeo foi exibido, emocionando a plateia com depoimentos de familiares e amigos do artista, cenas curtas de Serginho discursando nas festas do Girassol Maravilhoso, além das músicas que são como hinos de Leopoldina.
Também participaram os musicistas Antônio Jorge, Jeferson e Derlan, professores do Conservatório Estadual de Música Lia Salgado, que executaram algumas composições do saudoso Serginho do Rock.



24 de mai de 2018

Informativo Flileo

Em virtude da greve dos transportadores rodoviários, alguns de nossos convidados não poderão vir a Leopoldina. Ficam cancelados os seguintes eventos:

- Palestra: A poesia dentro da sala de aula e lançamento do livro: Amor em azul, com Teresa Cristina do Nascimento Bendini, que aconteceria no auditório do CEFET/MG Unidade Leopoldina às 14:30 de sexta-feira, dia 25 de maio;

- Mesa Redonda: Políticas Públicas para formação de leitores, com Elza de Sá Nogueira, Cleide Aparecida Fernandes e Fabíola Faria, que seria realizada no Centro Cultural Mauro de Almeida Pereira, às 19:00 de sexta-feira, dia 25 de maio;

- Workshop: Era uma vez o faz de conta, com Teresa Cristina do Nascimento Bendini, que aconteceria na Casa de Leitura Lya Maria Müller Botelho de 8:00 às 12:00, no sábado, dia 26 de maio.

Todos os demais eventos dos dois próximos dias estão confirmados.

O Menino no Espelho

Conforme já mencionado, a comissão organizadora da Festa Literária de Leopoldina pautou suas escolhas com o objetivo de oferecer diferentes formas de contato com a literatura. Entre elas, decidiram escolher um filme direcionado a todas as idades e que se relacionasse com o município. Assim surgiu o filme baseado em livro homônimo de Fernando Sabino, consagrado escritor cujos pais nasceram em Leopoldina. 

Para tornar o evento mais significativo, no início do ano letivo foi organizada uma reunião, na sede da Superintendência Regional de Ensino em Leopoldina, com os professores de língua portuguesa do município. Na oportunidade, a equipe organizadora apresentou diversas sugestões de atividades e os professores acrescentaram mais algumas ideias. E ao trabalharem com o livro de Fernando Sabino, os professores perceberam um interesse foi crescente. Quando foram abertas as inscrições para os diversos eventos da Flileo, o filme foi um dos mais procurados.

Para atender ao maior número possível de interessados, foi necessário abrir vários horários em locais que facilitassem o acesso. Além de um sessão na segunda-feira à noite, ontem, dia 23 de maio, foram realizadas quatro sessões a partir de 7:30 no auditório do CEFET-MG Unidade Leopoldina, e a última, às 19 horas, na Escola Estadual Professor Botelho Reis.

A comissão organizadora se dividiu para estar presente em todos os horários e locais e continuar atendendo as demandas que surgem durante o tempo todo. O balanço do dia foi muito positivo, com o público saindo muito feliz de cada sessão.





23 de maio: Oficina de Origami

A arte de criar representações de objetos ou animais em papel, sem cortá-lo, através de dobraduras especiais, é conhecida pelo termo japonês Origami. Em sua origem estão as técnicas de fabricar o papel e seu custo, despertando a criatividade no uso e transformação de retalhos do precioso produto.

Era comum, até há algum tempo, ensinar as crianças a fazerem barquinho, avião, chapéu, flores e pequenos animais de papel. O hábito vem se perdendo, muito em virtude da decantada falta de tempo. Entretanto, o tempo que se possa dedicar a 'brincar com retalhos de papel' representa um precioso auxiliar no desenvolvimento do poder de reflexão e, se realizado em grupo, reforça os laços sociais. No exercício das dobraduras de papel, nossa imaginação flui e nos permitimos ver o mundo com outro olhar, além de usufruir do contato, da conversa, da troca de experiências quando praticamos em grupo.

Ontem, dia 23 de maio, a Flileo ofereceu uma Oficina de Origami, ministrada por Laila Cassimiro. Pela animação e surpresa dos participantes, concluímos que foi mais um acerto da equipe organizadora ao oferecer outra forma de ler o mundo, ação que vai muito além de conhecer as letras e os sons que elas produzem quando reunidas em palavras. Saber ler é ultrapassar a atitude mecânica e compreender o sentido da mensagem expressa. Dobrar o papel e transformá-lo num ser ou objeto nos permite refletir e buscar o sentido do nosso estar no mundo.

Oficina de Origami, 23 de maio de 2018, ministrada por Laila Cassimiro.


23 de mai de 2018

Mudança de local de Oficinas

Comunicamos que a Oficina de produção de Quadrinhos, com Rapha Pinheiro, dia 24 de maio às 14 horas, assim como a Oficina de Roteiro e de Fanzines, com Hamilton Kabuna, dia 25 de maio às 14:00, foram remanejadas para a Casa de Leitura Lya Maria Müller Botelho.

As escolas estaduais na Praça Félix Martins

No dia 26 de maio de 2018, na Praça Félix Martins, estarão em evidência os trabalhos de estudantes e professores da rede de ensino pública e privada do município. O evento vem sendo dirigido pela Superintendência Regional de Ensino e pela Secretaria Municipal de Educação de Leopoldina.

As instituições de ensino do município preparam materiais para serem expostos. Teremos exposições de textos literários, poesias, desenhos e HQs, charges, cartuns, cartazes, lançamentos de livros, teatros de fantoches, grupos de dança, apresentações musicais, paródias e banda.

Além da exposição dos trabalhos, algumas escolas apresentar-se-ão no palco principal da Praça, que será montado em frente à concha acústica. Destacamos, entre as apresentações, os já consagrados grupos de dança Pérola Negra e Assum Preto.

A equipe organizadora da Festa Literária de Leopoldina agradece o empenho de professores e alunos, bem como da direção das unidades de ensino, e convida o público a prestigiá-las, visitando as tendas da Praça Félix Martins entre as 9 e 13 horas do sábado, dia 26 de maio.

Escolas Estaduais de Leopoldina:

E. E. Augusto dos Anjos
E. E. Dr. Pompílio Guimarães (Piacatuba)
E. E. Emílio Ramos Pinto
E. E. Enéas França
E. E. Justiniano Fonseca (Tebas)
E. E. Luiz Salgado Lima
E. E. Marco Aurélio Monteiro de Barros (Providência)
E E. Prof. Botelho Reis
E. E. Omar Resende Peres
E. E. Sebastião Medeiros (Ribeiro Junqueira)
E. E. Sebastião Silva Coutinho






22 de mai de 2018

Escolas na Praça: do distrito de Providência, a EE Marco Aurélio

No terceiro dia da Festa Literária de Leopoldina, mnifesta-se consolidado o envolvimento dos leopoldinenses com as atividades propostas. O que nos leva a relembrar o início do processo, em novembro de 2017, quando foi lançado o Concurso para a escolha da logomarca da Flileo. Rapidamente as escolas se mobilizaram, recebemos várias inscrições e foi escolhida a nossa marca, num desenho do estudante Douglas Ferreira dos Santos Marinato Gonçalves, da Escola Estadual Marco Aurélio Monteiro de Barros.


Agora, no momento em que a Festa Literária de Leopoldina se concretiza, voltamos a falar da participação das escolas, dos alunos e dos professores. Hoje entrevistamos Sueli Cunha dos Santos Muniz, diretora da mencionada escola, localizada no distrito de Providência. Ficamos sabendo que toda a comunidade escolar se encontra tralhando com afinco para apresentar um belo trabalho no próximo sábado, dia 16 de maio, em uma das tendas na Praça Félix Martins. 

Segundo, Sueli Muniz, "Hoje foi dia de pintar a casa". 


E prosseguiu:
Estamos a todo vapor, construindo uma estufa de garrafas Pet. Os alunos estão envolvidos na montagem do projeto de uma estufa.
A Escola Marco Aurélio está sempre valorizando o lugar, a identidade local, a Educação do Campo e o desenvolvimento sustentável. O objetivo desta estufa é produzir mudas de hortaliças, ervas medicinais e oferecer melhor desenvolvimento das plantas, bem como proteger contra os ataques externos.
Utilizamos garrafas Pet, porque nosso foco é trabalhar com a reciclagem para a preservação do meio ambiente.
A diretora ressaltou que a estufa tem baixo custo, sistema de auto-rega e proteção contra o sol e calor excessivos.


A escola está preparando, também, uma apresentação que resultou de oficinas recentemente realizadas. Explica a diretora:
As turmas dos Anos Iniciais estão trabalhando poesias de Elias José, que serão apresentadas de forma bastante lúdica, utilizando material concreto.
O Coral "Marco Aurélio" apresentará a música "Girassol Maravilhoso" de Serginho do Rock.
Somos uma escola do Campo. O sí­mbolo da escola do Campo é um girassol, pelo fato de o trabalhador do Campo orientar-se pelo sol. Em dias chuvosos, os girassóis voltam-se uns para os outros, buscando calor e fortalecendo a harmonia.
Assim, a nossa escola do Campo, integrada, cultiva uma relação baseada na lealdade, entusiasmo e vitalidade.
Vamos expor os desenhos de um aluno do 3º ano do Ensino Médio, que possui um talento nato.

Ela falava de Douglas Marinato, o aluno vencedor do Concurso que escolheu a logomarca da Flileo. E Sueli ainda nos supreendeu com outra informação. 
O grupo de danças Raí­zes fará apresentação no palco também. A música "A semente" foi escolhida por sermos uma Escola do Campo.
O Grupo surgiu em 2015, sob a coordenação da Professora Delizete de Fátima Marinho Maximiano.
Em 2015, desenvolvemos o projeto "Brasil de todos nós, descobrindo nossas raí­zes", atendendo a perspectiva das Leis 10.639/03 e 11.645/08 que tratam do estudo da História e Cultura afro-brasileiras e indígena nas escolas.
Construí­mos, em nossa Escola, uma réplica das duas comunidades visitadas: quilombola e indí­gena.

Nossos agradecimentos a toda a comunidade da Escola Estadual Marco Aurélio Monteiro de Barros pelo trabalho que vem realizando e à diretora Sueli Muniz por ter dedicado um pouco do seu tempo, na tarde desta terça-feira, para nos antecipar como será a apresentação no sábado.

Convidamos a todos para visitarem a Praça Félix Martins, no dia 26 de maio, entre 9 e 13 horas, para conhecerem o resultado de meses de trabalho nas escolas de Leopoldina.


Sessão de cinema em escola do bairro Nova Leopoldina

O interesse despertado pelo filme "O menino no espelho", baseado no livro homônimo de Fernando Sabino, demandou a divisão da equipe organizadora da Flileo para atender a tantos pedidos. Hoje, dia 22 de maio, pela manhã, foi a vez da Escola Municipal Cirene Fernandes Valentim, no bairro Nova Leopoldina, reunir 50 alunos dos 3°, 4° e 5° anos do Ensino Fundamental.

Escolas na Praça na Flileo

Dia 26 de maio, sábado, os estudantes participarão da Festa Literária de Leopoldina num papel especial: apresentarão ao público o resultado de seus trabalhos baseados no livro "O Menino no Espelho", de Fernando Sabino.  
Estarão agrupadas em seis tendas as seguintes Creches, Centros de Educação Infantil, Pré-escolar e
Escolas de Ensino Fundamental Municipais:  

Adilon Machado

Afrânio Reis Junqueira

Antonio Lomba Júnior

Aquarela
Arthur Dorigo Tito

Botelho Reis

Cantinho da Amizade 

Carlos Rubens de Castro Meireles
Cirene Fernandes Valentim

Francisco Pinheiro de Lacerda

Gato de Botas

Jardim dos Bandeirantes

Joaquim Ferreira Brito

Judith Lintz Guedes Machado

Luciana da Costa Cesar Tavares

Maria Amélia do Amaral Carvalho

Maria Aparecida Silva Conte

Mundo Encantado

Osmar Lacerda França

Pica-Pau

Pituchinha

Profª Maria da Conceição M. de Resende

Ribeiro Junqueira

Rotary

Saci-Pererê

Sebastião Guedes Moraes Mendonça

Senhorita Carmem Spínola

Vargem Linda

A Flileo traz livreiros para a Praça

Nos dias 25 e 26 de maio, na rua João Lamarca, lateral da Praça Félix Martins onde se localiza o Centro Cultural Mauro de Almeida Pereira, teremos tendas das seguintes editoras:





Aproveitem a oportunidade de adquirir obras com preços promocionais.


Os Leguminhos estarão na Praça no último dia da Flileo

Sábado, das 9 às 13 horas, a leopoldinense Kelly Garcia estará na Praça Félix Martins acompanhada dos Leguminhos.


Visitem a tenda e conheçam estes importantes personagens para a vida de todos nós.

Os Leguminhos estão em muitos endereços: no site, no You Tube e no facebook.

E no sábado, dia 26 de maio, eles estarão pertinho de você. Venha conhecê-los!



21 de mai de 2018

Oficinas do segundo dia da Flileo











Hoje tivemos duas oficinas na Festa Literária de Leopoldina, ambas realizadas em espaços disponibilizados pelo CEFET-MG Unidade Leopoldina.


A primeira delas foi ministrada pela equipe do professor Carlos Wagner Moura e Silva, e atraiu um grupo de estudantes interessados em conhecer as técnicas de desenho, especialmente para a produção de Mangá, que desperta grande atração atualmente.


Na primeira etapa, hoje realizada, o trabalho girou em torno da anatomia básica e esboço.










A segunda etapa desta oficina acontecerá na próxima quarta-feira, quando serão vistos aspectos como contorno e arte finalização.

A segunda oficina do dia ficou a cargo do professor Sandro Aloísio que abordou técnicas de escrita, sendo direcionada para estudantes do Ensino Médio.




21 de maio: A influência dos contos de fada na formação do ser



Na tarde deste segundo dia da Festa Literária de Leopoldina, o professor e psicanalista Aloísio Silva se apresentou no auditório do CEFET-MG Unidade Leopoldina, para um plateia atenta.



O evento contou, ainda, com a participação do Coral EnCantar, formado por alunos do Conhecer Educação e Cultura.



20 de mai de 2018

Encontro de Fanfarras

O dia 19 de maio de 2018 ficará marcado pelo envolvimento dos leopoldinenses com sua primeira Festa Literária. A receptividade do público foi ótima, assim como o empenho dos atores de cada evento. Trazemos, aqui, algumas momentos registrados pelo Acadêmico Jovem Josué de Oliveira. É a ALLA Jovem respondendo aos objetivos para os quais foi criada.

Desfile de Fanfarras pela Rua Barão de Cotegipe

Encontro de Fanfarras na Praça Félix Martins



Fanfarra da Escola Municipal Judith Lintz Guedes Machado




Fanfarra da Escola Municipal Osmar Lacerda França


A Comissão Organizadora da Festa Literária de Leopoldina reitera os agradecimentos pelo apoio e participação das Escolas Municipais Judith Lintz Guedes Machado e Osmar Lacerda França, e parabeniza os componentes das fanfarras e seus regentes, Igor e Vinicius, respectivamente.

19 de mai de 2018

19 de maio: Banda Princesa Leopoldina na Praça



A Banda Princesa Leopoldina, sob a regência do maestro Bruno Estêvão da Silva Egídio, participa da Festa Literária e Cultural da nossa cidade.

Ao encerrarmos o primeiro dia da Festa Literária de Leopoldina, renovamos nossos agradecimentos a todos que colaboraram para o brilhantismo deste dia e esperamos continuar contando com a participação do público nos eventos que se estenderão até o próximo sábado, dia 26 de maio.

Para a apresentação da Banda Princesa Leopoldina, recebemos apoio da Festa Ki, que ofereceu as cadeiras para acomodar o público.



Lembramos que a FLILEO oferece diversas atividades, como pode ser conferido aqui.

A Praça se enfeita para receber a Banda Princesa Leopoldina

Depois de uma chuva ligeira, a Praça Félix Martins se aprontou para receber a Banda Princesa Leopoldina, na última atividade do primeiro dia da Festa Literária.
Centro Cultural Mauro de Almeida Pereira e a Praça Félix Martins, palcos de atividades neste primeiro dia da Festa Literária

Desfile de Fanfarras

Leopoldina está em Festa! Festa Literária de Leopoldina.

Desfile de fanfarras pela Rua Barão de Cotegipe.
E o Encontro na Praça Félix Martins.
Os regentes Igor e Vinícius, das fanfarras das Escolas Municipais Judith Lintz Guedes Machado e Osmar Lacerda França respectivamente.



Começam as oficinas da Festa Literária de Leopoldina

Dirigida pelo Acadêmico Jovem Lucas Benício Lourenço Melo, a oficina de redação "Alusão Cultural" foi realizada no Centro Cultural Mauro de Almeida Pereira, na manhã deste primeiro dia da Festa Literária de Leopoldina.

Abertura da Festa Literária de Leopoldina


Com a realização do Sarau Literário no Museu Espaço dos Anjos, foram iniciados os eventos que durante uma semana acontecerão em Leopoldina, como parte da primeira Festa Literária - FLILEO/2018.

18 de mai de 2018

Autores em destaque na Flileo

A intenção de dar destaque aos autores leopoldinenses surgiu no início dos preparativos para a Festa Literária de Leopoldina. Embora muitos sejam desconhecidos na própria cidade, há tempos fazem parte dos interesses de dois acadêmicos que agora os reuniram no Dicionário dos Autores Leopoldinenses, livro que será lançado no dia 26 de maio,
último dia da Flileo, no Centro Cultural Mauro de Almeida Pereira, a partir das 10 horas. 


A homenagem aos autores é a forma da Festa Literária trazer para o público tantos nomes de conterrâneos que se dedicam a escrever suas memórias, produzem literatura, escrevem sobre história e outros temas. Homenagear, inclusive, os autores do passado através de seus familiares. Todos foram convidados, muitos estarão presentes e alguns irão lançar um novo livro ou autografar a última obra. Além deles, teremos dois outros lançamentos durante a semana.

Começando no dia 22, quando haverá o lançamento de Tonico e seus primeiros dinheirinhos, do acadêmico Antonio Dias Pereira Filho, logo após a palestra do autor sobre Educação Financeira. Além de estudantes do Ensino Fundamental e Médio como público preferencial para o assunto, pais e professores poderão se beneficiar com reflexões sobre a maneira de lidar com o assunto e como orientar seus filhos e alunos. Afinal, todos precisamos saber lidar com os recursos financeiros e será sempre mais produtiva a aprendizagem orientada desde cedo, no ambiente familiar e escolar.

Dia 25 – Amor em azul, da palestrante convidada Teresa Cristina do Nascimento Bendini, logo após sua palestra “A poesia dentro da sala de aula”. Direcionado para um público bastante amplo, o carisma de Teresa Bendini certamente despertará grande interesse, tal como sucedeu em sua participação no Concurso Nacional de Poesias Augusto dos Anjos de 2017 e no Sarau Literário que o sucedeu. A poesia não pode ficar restrita a poucos e esparsos momentos da nossa vida, mas fazer parte de todos os momentos, seja pela lembrança do lido ou pela vivência do ali aprendido.

Dia 26 – O autor leopoldinense é o foco do evento que acontecerá no Centro Cultural Mauro de Almeida Pereira, a partir das 10 horas. Iniciar-se-á pela palestra de José Luiz Machado Rodrigues sobre Obras e Autores Leopoldinenses e prosseguirá no Café com o Escritor, quando o público terá oportunidade de se encontrar com alguns autores que ali estarão conversando, lançando ou autografando suas últimas obras. 

  • Antonio Marcos Botelho Borges lançará seu livro de contos Menino de rua.
  • José Luiz Machado Rodrigues e Nilza Cantoni lançarão o Dicionário dos Autores Leopoldinenses.
  • Otavio Campos lançará Ao jeito dos bichos caçados. 

  • Daniella Guimarães de Araújo autografará Conto de um amor intermitente.
  • José Publio Cunha autografará Da vida a poesia.
  • Sandro Aloisio Matilde autografará Entre homens e anjos.
  • Silvana Calabria autografará Desabafos de Maria.
  • Familiares de Elizabeth Montenari trarão seu livro póstumo, Ceifa. 

16 de mai de 2018

As escolas na Praça


No dia 26 de maio de 2018, na Praça Félix Martins, centro da cidade de Leopoldina, dia do encerramento das atividades da FLILEO, estarão em evidência os trabalhos de estudantes e professores da rede de ensino pública e privada do município. 

O evento vem sendo dirigido pela Superintendência Regional de Ensino e pela Secretaria Municipal de Educação de Leopoldina. As vinte e duas escolas públicas do município confirmaram presença, bem como grande parte das da rede privada. 

As instituições estão engajadas na Flileo desde o ano passado, quando houve o concurso para a escolha do logotipo da festa, e, agora, estão preparando materiais para serem apresentados no dia 26. Teremos exposições de textos literários, poesias, desenhos e HQs, charges, cartuns, cartazes, lançamentos de livros, teatros de fantoches, grupos de dança, apresentações musicais, paródias e banda. 

Além da exposição dos trabalhos, algumas escolas apresentar-se-ão no palco principal da Praça que será montado em frente à concha acústica. Destacamos entre as apresentações os já consagrados grupos de dança Pérola Negra e Assum Preto. 

A equipe organizadora da Festa Literária de Leopoldina agradece o empenho de professores e alunos, bem como da direção das unidades de ensino, e convida o público a prestigiá-las, visitando as tendas da Praça Félix Martins entre as 9 e 13 horas do sábado, dia 26 de maio.

11 de mai de 2018

Autores Leopoldinenses na Flileo




No sábado, dia 26 de maio de 2018, os escritores leopoldinenses estarão em destaque na Festa Literária de Leopoldina.
Logo após a palestra no auditório do Centro Cultural Mauro de Almeida Pereira, os autores estarão no saguão para autografarem suas obras.
Contamos com a sua presença!

8 de mai de 2018

Uma parceria de sucesso: “O menino no espelho”

Logo no início das atividades preparativas para a Festa Literária de Leopoldina surgiu a ideia de uma parceria com o Polo Audiovisual de Cataguases, para a exibição de um filme durante a programação. Mas, não poderia ser um filme qualquer, teria que haver alguma relação com nossa cidade. Afinal, o objetivo maior da FLILEO é exaltar a leitura e a literatura e, principalmente, a literatura da cidade de Leopoldina. 

Assim, após o contato inicial, nosso pedido foi prontamente atendido e a exibição de “O menino no espelho”, baseado na obra de Fernando Sabino, foi autorizada. 

A partir dessa confirmação, a equipe organizadora começou a traçar estratégias para que a sessão cinematográfica fosse realizada e, mais que isso, fosse preparada pelos professores nas escolas. A Superintendência Regional de Ensino e a Secretaria Municipal de Educação convidaram os professores de língua portuguesa do município para uma reunião. Foi o início de mais uma parceria com as escolas e a FLILEO, pois a primeira já havia sido realizada na escolha do logotipo da Festa. 

Na reunião, a equipe organizadora apresentou diversas sugestões de atividades e os professores foram bastante receptivos e, além de terem gostado de usar o livro de Fernando Sabino nas escolas, acrescentaram mais algumas ideias a esse trabalho de preparação. A reunião foi muito produtiva, os professores levaram a proposta para as escolas e o resultado foi a grande procura pela exibição do filme. 

As três exibições inicialmente previstas não serão suficientes para atender às inscrições e, por isso, a equipe já está em contato com o Polo Audiovisual para abertura de mais horários para que todos os inscritos sejam atendidos. 

Assim, antes mesmo do início da primeira Festa Literária de Leopoldina, temos a certeza de que será um marco para nossa cidade e nossa educação. E, juntos, equipe organizadora e escolas farão a diferença.

Por que a exibição de “O menino no espelho”, baseado na obra de Fernando Sabino?


 
A escolha do título atendeu à expectativa da Comissão Organizadora da Flileo por dois motivos principais. Em primeiro lugar, pensamos numa obra que despertasse nos estudantes a percepção de que a produção literária pode ser apresentada de várias maneiras, dado que a comunicação se realiza em diferentes formas de linguagem. Um filme demanda uma forma de leitura diferente de um livro ou de uma fotografia. Nada melhor para demonstrar tal assertiva do que exibir um filme baseado numa obra inicialmente publicada no formato livro. Desta forma, abrimos oportunidade para os alunos trabalharem com dois formatos de leitura. 

O segundo motivo, o vínculo do filme com Leopoldina, encontra em “O menino no espelho” duas vertentes. Por um lado, o fato de que algumas de suas cenas foram filmadas em Leopoldina. Alguns estudantes vivenciaram a agitação em torno do trabalho realizado na cidade há poucos anos e outros, certamente, ficarão tão encantados quanto, ao verem as imagens em movimento na tela. Por outro lado, no autor do livro que deu origem ao filme, Fernando Tavares Sabino, encontramos profundas ligações com Leopoldina. 

Fernando Sabino nasceu em Belo Horizonte em 1923 e faleceu no Rio de Janeiro em 2004. Era filho de Domingos Sabino e Odete Lacerda Tavares, ambos nascidos em Leopoldina, ele em 1881 e ela dez anos depois. Fernando era neto paterno de Nicola Carmelo Rosario Savino, nascido em 1852 em Ispani, província de Salerno, região da Campania, na Itália. A avó paterna, Angela Maria Grazia Apprato, nasceu na mesma localidade em 1855. Ambos fazem parte do grupo de imigrantes italianos que já vivia em Leopoldina em 1880, quando começou a tomar vulto a imigração italiana para nosso município. 

O avô materno do autor de “O menino no espelho” foi o jurista Fernando Pinheiro de Souza Tavares, que aqui exerceu os cargos de Juiz de Órfãos e de Promotor Público, tendo falecido em 1902, em Leopoldina. A avó materna foi Maria da Glória Lacerda, nascida e falecida em Leopoldina, filha do pioneiro Romão Pinheiro Corrêa de Lacerda, um dos povoadores do Feijão Cru. Maria da Glória era prima do marido Fernando, por ser ele neto de Albina Joaquina de Lacerda, irmã de Romão Pinheiro Corrêa de Lacerda. 

Portanto, os ancestrais de Fernando Sabino representam dois importantes aspectos da história de Leopoldina: o povoamento do Feijão Cru e a imigração italiana em Leopoldina. 

Lembramos, ainda, que o pai do escritor, Domingos Sabino, viveu em Leopoldina até 1909, tendo sido o que hoje pode ser considerado um empreendedor. Além de trabalhar com o pai Nicola no famoso Salão Recreio, uniu-se a um farmacêutico da cidade para lançar, em 1904, uma fábrica de água mineral. E o vínculo da família não se perdeu com a morte dos antepassados, já que os filhos de Domingos, todos nascidos em Belo Horizonte, frequentaram Leopoldina e aqui mantinham relações de amizade até, pelo menos, a década de 1970. Netas de Domingos Sabino ainda hoje se referem à casa de seus parentes que existia na “pracinha do ginásio”, onde hoje existe o edifício Athenas. 
Glaucia Costa 
e Nilza Cantoni 

"Bastidores da filmagens do longa metragem "O menino no Espelho", de Guilherme Fiúza com produção de André Carrera, da produtora Camisa Listrada. O Filme é baseado na obra homônima do escritor mineiro Fernando Sabino, cujos pais nasceram em Leopoldina. Curiosamente ao lado do prédio do Ginásio usado nas filmagens, existiu o "Salão Recreio" em que o avô do escritor, o Italiano Nicolau Sabino servia sorvetes, então uma novidade em Minas Gerais no início do século XX" por lucleopoldinense